A entrevista TOP do Startup Blog é com a empreendedora Tânia Carvalho, CEO da INHERVOICE, uma Startup de empreendedorismo social que atua no mercado do Coaching.

Publicidade

Quem é Tânia Carvalho?

Sou a fundadora, CEO, business developer formadora e Coach na INHERVOICE. Mas podia somar a isso administrativa, gestora de projectos, gestora de parcerias, comercial, directora financeira, produtora de conteúdos… Porque um empreendedor começa assim, com muitos “chapéus” diferentes.

Sou entusiasta, comunicativa, tenho um sentido de humor refinado e uma abordagem estóica ao trabalho. Licenciei-me em Ciências da Comunicação, fiz a certificação como Formadora, Coach e Master Coach e tenho mais de 15 anos de experiência profissional no contexto de grandes empresas nacionais e multinacionais. Nesse contexto, liderei equipas de vendas, projectos de transformação e mudança e especializei.me-se na gestão e desenvolvimento de pessoas.

Em 2020 resolvi transferir as minhas competências e conhecimento para o contexto social e criei a INHERVOICE, uma associação sem fins Lucrativos que ganhou o 1ª Concurso CIS Empreende – Concurso de Inovação Social da Fundação Eugénio de Almeida.

Como surgiu a ideia de criar a INHERVOICE?

Tendo convivido nos últimos anos com a real evolução e o concreto sucesso de muitos dos que comigo se cruzaram, maioritariamente mulheres, obtive a prova da utilidade do Coaching na melhoria da performance das pessoas, que atingiam melhores resultados e assumiam uma atitude empreendedora por via da aquisição ou desenvolvimento de competências comerciais e empresariais.

Há cerca de um ano reflecti sobre o contexto complicado, pandémico e sócio-económico que atravessávamos e pensei: se esta metodologia funciona porque não torná-lo acessível a toda a gente?

Foi aí que surgiu a ideia de disponibilizar a metodologia, a estratégia, os processos, o rigor, a qualidade, a imagem, tudo aquilo que normalmente só os privados usufruem a outras pessoas e não apenas às mesmas e começar a explorar todo esse potencial de sucesso que ainda está por descobrir. Sobretudo entre as mulheres – é por isso que o nosso nome integra ‘innervoice’ (voz interior) e ‘in-her-voice’ (pela voz dela, da mulher) – tendo presente as estatísticas que indicam que as mulheres ainda estão sub-representadas em cargos de poder em Portugal (e não só).

Quais foram os desafios iniciais?

Eu não chamaria de iniciais, uma vez que os desafios têm sido constantes! Para responder à tua pergunta, vou destacar três.

Um dos primeiros desafios com que nos deparámos tem a ver com o desconhecimento ou má interpretação que existe sobre o Coaching. Realizámos um estudo de mercado a mais de 100 pessoas e verificámos que as suas referências eram bastante dispersas – desde vídeos de oradores motivacionais a blogs de lifestyle.

A nossa conclusão foi que necessitávamos de começar por informar o que é o Coaching para o posicionar em termos de processo de melhoria de performance e desempenho, aplicável a qualquer tipo de actividade. Por isso, debaixo do nosso mote, Culture of Coaching, damos a voz a coaches de diversos backgrounds (desportivo, carreira, wellness, liderança, etc) para que partilhem os benefícios da sua aplicação em diferentes campos e divulguem os seus programas. Com isto, temos como objectivo sensibilizar a sociedade em geral para as vantagens do Coaching enquanto processo de treino e desenvolvimento de habilidades e competências orientado para resultados.

Outro desafio foi perceber que, apesar do interesse de vários actores para a utilidade na aplicação do Coaching no sector social – assumindo a sua pertinência para a transformação de pessoas de modo a aumentar a sua empregabilidade ou incentivar o empreendedorismo – não havia dinheiro para o pagar.

Perante isso, decidimos ir por um caminho em que nos conseguíssemos auto-sustentar, independentemente de fundos ou financiamentos públicos que possam surgir. Pretendemos financiar a nossa actividade principalmente por via de commercial funding, através da venda dos nossos serviços, e dessa forma, chegar a mais beneficiários.

Uma das iniciativas que levamos a cabo é que cada cliente que compra um programa de Coaching Inhervoice está a oferecer um programa com a mesma qualidade e duração a uma beneficiária em frágil condição financeira ou desempregada.

O terceiro desafio que destaco tem a ver com um conceito muito em voga no empreendedorismo social: a medição de impacto.

Através da nossa exposição ao cluster social, identificámos que o impacto social do Coaching podia ser entendido como subjectivo. Ora, vindo de um background empresarial em que tínhamos de apresentar resultados deu-nos músculo para apresentar um sistema de medição bem estruturado composto por: um teste de ‘coachabilidade’ criado pela Inhervoice, assessments de competências à entrada, durante e à saída do programa para avaliar a sua evolução e consistência, recolha de feedback constante e a verificação dos resultados atingidos em termos de empregabilidade ou concretização de novos projectos / realizações ao final do programa.

Queremos trabalhar com base em evidências e ter evidências para podermos trabalhar.

Como foi a experiência de participar no CIS EMPREENDE?

Aprendemos muito ao longo da I Edição do CIS Empreende promovido pela Fundação Eugénio de Almeida e tirámos o máximo partido de todas as ferramentas, feedback e apoio por parte da equipa. Este empenho compensou, uma vez que ganhámos o primeiro lugar na categoria de Desenvolvimento. Mas esse reconhecimento e validação por parte da Fundação também foi importante para tomarmos consciência e responsabilidade do papel que a INHERVOICE tem de ocupar na sociedade, trabalhando todos os dias arduamente para que as mudanças – de cultura, de mentalidade – ocorram, e para que a capacidade de adaptação seja uma competência fundamental na vida das pessoas. Usando uma analogia do mundo da Engenharia: o que não dobra, parte.

Uma das iniciativas que destacamos pela pertinência e utilidade é a formação em avaliação e medição de impacto promovida pela Fundação. Tem ajudado a INHERVOICE a desenvolver a estrutura e as métricas necessárias para avaliar e melhorar continuamente o projecto.

Quais são os fatores diferenciadores da INHERVOICE?

Diferenciamo-nos por trazer um modus operandi empresarial para o sector social, diluindo as barreiras entre estes dois sectores.

Temos como foco a melhoria de desempenho individual no empreendedorismo.

Vemos com agrado muitas iniciativas a serem realizadas para estimular o empreendedorismo mas na nossa óptica, não podemos apenas focar a criação e implementação de uma boa ideia. É preciso reconhecer que o factor humano é o factor determinante para a sucesso dessa ideia e continuidade no tempo.

Nas nossas sessões de coaching para empreendedores treinamos a atitude mental e as soft skills necessárias para se tornarem capazes de liderar um projecto ou uma equipa. Alguns exemplos de soft skills que trabalhamos são o planeamento e organização pesoal, auto-motivação, liderança, comunicação, vendas , negociação delegação, resolução de problemas ou gestão de conflitos.

Oferecemos versões TRIAL

Assumindo com naturalidade algumas barreiras em relação à forma como se processam os programas de Coaching, oferecemos versões experimentais, em que os coachees ou as organizações têm oportunidade de estabelecer uma relação de empatia e testar a nossa metodologia.

Somos claros em relação ao programa e às metas a atingir e somos ágeis nos caminhos para lá chegar

O nosso programa tem a duração mínima de três meses. Começa com uma aferição global das necessidades do coachee e a definição de métricas de desempenho. Ao longo do programa, quer um beneficiário, cliente particular ou uma organização podem reflectir sobre o progresso nas etapas intermédias de avaliação e feedback. Nessas etapas, a agilidade de decidir novos caminhos, técnicas e/ ou correcções à rota com o objectivo de chegar à meta é um ponto distintivo na actuação da Inhervoice. Temos uma diversidade de técnicas e know-how que nos permite ser adaptáveis a qualquer pessoa, equipa ou organização.

Quais são os próximos passos da vossa Startup?

Para escalar o nosso conceito e chegarmos a muitos mais beneficiários, lançámos um novo serviço que é a implementação de sistemas de Coaching.

Através deste serviço, trabalhamos, numa primeira fase, o Coaching Individual ao staff das organizações (sociais ou empresariais) para desenvolver as suas competências individuais e maximizar os seus resultados.

Numa fase mais avançada realizamos o chamado Master Coaching em que dotamos o staff de competências de Coaching para que possam aplicar programas de Coaching junto dos seus colaboradores, beneficiários ou clientes.

Sabemos que ainda há muito trabalho por fazer sobretudo em organizações do terceiro sector, tendo identificado a necessidade de promover melhores condições trabalho e capacitação profissional para cuidadores (técnicos, monitores, psicólogos, assistentes sociais…Etc) e acreditamos que um investimento maior no desenvolvimento e maximização de competências – como por exemplo ao nível do auto-cuidado, comunicação e liderança – se traduz num impacto mais positivo no atendimento e suporte no projecto de vida dos seus beneficiários.

A nossa estratégia para 2021 assenta nestes três pilares:

Clarificar – a sociedade em geral para as aplicações e vantagens do Coaching em qualquer área de actividade;

Aplicar – através do programa de Coaching Inhervoice, treinamos e acompanhamos pessoas para alcançarem a melhor performance e resultados, com o objectivo de as reintegrar na economia.

Escalar – estruturar e implementar sistemas de coaching em organizações melhorando a produtividade das equipas e os resultados junto dos seus clientes ou beneficiários.