Vivemos dias desafiantes devido a uma pandemia global, que está a causar um efeito devastador na saúde e na economia.

Publicidade

Em crises recentes, foram sempre os empresários que tiveram na linha da frente para combater os seus efeitos, conseguindo ultrapassar, mesmo que muitas vezes tivessem de abdicar dos seus lucros e ordenados para pagar aos colaboradores e ao estado.

Foram principalmente os empresários que contribuíram nos últimos anos para que o nosso país tivesse taxas de crescimento, foram eles que contribuíram para que o setor do turismo fosse a maior atividade económica exportadora do país registado um contributo de 8,2% no PIB português, foram eles que criaram startups de grande sucesso mundial, foram os empresários que fizeram reduzir o desemprego para níveis extremamente baixos.

Agora, a maioria dos empresários vivem com os seus negócios fechados ou com uma redução extrema das vendas e as ajudas são créditos com juros muitas vezes superiores a 3%. Pedem que os empresários se endividem para pagarem aos funcionários e as contribuições ao estado sem saberem se vão conseguir ter liquidez para pagar esses mesmos empréstimos. Outra ajuda é um layoff simplificado, que de simplificado só mesmo o nome, muito complexo e pouco eficaz no imediato.

Sei que não somos um pais rico, sei que os nossos recursos financeiros são mais limitados do que outros países da união Europeia, mas tenho a certeza se não forem implementadas medidas mais fortes para ajudar os empresários o mais rapidamente possível grande parte das empresas vão fechar, principalmente as mais pequenos e as PMEs que são o motor do nosso tecido empresarial.

Se aprovarem novas medidas de apoio aos empresários, que permitem mitigar os efeitos da crise e manter as actividades empresariais, vão conseguir uma recuperação mais rápida da economia e poupar ao estado muitos subsídios de desemprego.

Uma das medidas que o governo português deve tomar na minha opinião é pagamento imediato de todas as dívidas em atraso a fornecedores privados, outra medida urgente deve ser o cancelamento definitivo de impostos e contribuições sociais, em vez da suspensão, passando por linhas de financiamentos para todos os setores de actividade.

Se o governo português não tomar novas medidas urgentes, os empresários vão ter muito mais dificuldades para manterem as suas actividades e os custos para o país vão ser muito mais elevados devido à falência de muitos negócios e ao crescimento do desemprego aumentando os apoios sociais.